Orquidário UEL recebe primeira visita monitorada

Idosos do CCI, de Londrina, vão até a UEL e passam a tarde no Orquidário 

Na última quinta-feira (26/05), o Orquidário UEL recebeu a primeira visita monitorada pelos alunos após o retorno das atividades presenciais na universidade. Desta vez, quem veio conhecer o espaço foi o Centro de Convivência da Pessoa Idosa - Zona Norte, o CCI, de Londrina. Ela aconteceu no período da tarde e contou com 21 idosos da instituição.

Segundo Gleycielle dos Santos, assistente social e responsável pelo grupo, a visita foi ótima e é importante possibilitar aos idosos o contato direto com a universidade. "Foi um dia muito incrível. Eles gostaram demais, deram vários feedbacks para a gente, e é muito importante essa questão da aproximação dos idosos com a própria academia, mesmo porque são espaços muitas vezes desconhecidos, né, ali na região norte acaba sendo muito distante a UEL para eles", avalia. Por fim, ela também comenta sobre o fortalecimento de vínculos que ocorre nessas atividades: "até a questão da intergeracionalidade também que existe nesse tipo de atividade, que são os alunos, né, jovens e os idosos nessa convivência. É o objetivo do nosso serviço, que é o fortalecimento de vínculos comunitários tanto entre eles como com a demais população".



Dona Maria de Fátima Alexandre, de 66 anos, participa do CCI e foi até o Orquidário, contou o que achou da visita: "achei muito bom e as explicações deles de como a gente lidar com as plantas, principalmente as orquídeas, como cortar como replantar, as partes que pode deixar no sol ou na sombra… muito bom. E eles estão de parabéns, os alunos e o professor".

Para saber mais sobre o projeto das visitas monitoradas clique aqui.

Guilherme Eduardo Morais Ferreira

Orquidário UEL recebe visita de pesquisadores

 Após participarem do SACA-UEL, palestrantes vão à universidade e conhecem o projeto do Orquidário


Nesta semana, os pesquisadores Dr. Chukichi Kurozawa (da direita) e Dr.Tumoru Sera (da esquerda), que marcaram presença no IX Simpósio de Atualização em Ciências Agronômicas (SACA-UEL), estiveram também no Orquidário UEL.  

A visita ocorreu na última quinta-feira (19/05) e os visitantes foram acompanhados pelo professor dr. Ricardo Faria, coordenador do Orquidário, e por alguns estudantes.

Segundo Faria, eles elogiaram as pesquisas que estão sendo realizadas pelos alunos no espaço e enfatizaram a grande importância da continuidade desses estudos para a preservação das orquídeas nativas brasileiras nos seus habitats. 

Chukichi Kurozawa é formado em Agronomia, tem mestrado e doutorado em Fitopatologia pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" - USP (ESALQ-USP) de Piracicaba e exerceu atividades docentes por pouco mais de 30 anos. Foi professor, responsável por diversas disciplinas do curso de Agronomia e de pós-graduação, chefe do Departamento de Proteção de Plantas e vice-diretor da Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA-UNESP). Além disso, foi três vezes presidente do Congresso Paulista de Fitopatologia, publicou inúmeros artigos científicos e trabalhos em eventos, proferiu mais de 100 palestras e lançou três variedades de tomate para indústria. Hoje é consultor do programa Globo Rural e de outras empresas, como a Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia/Pompéia, Grupo Genove Agronegócios Ltda e BASF S.A. Agrícolas.

Tumoru Sera é formado em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), técnico agrícola pelo Colégio Agrícola Manoel Ribas, tem mestrado e doutorado pela ESALQ-USP e pós-doutorado pela NIAS (National Institute of Agrobiological Sciences). Desenvolveu várias cultivares de café para o Paraná e outros estados do Brasil. Atuou como consultor, coordenador e conselheiro em várias instituições, programas e projetos. Já publicou artigos científicos e capítulos em livros. Tem experiência, principalmente, nas seguintes áreas: cultura do café, melhoramento do cafeeiro, sementes e mudas de café, cultivo de tecidos de café e qualidade do café. Aposentou-se, em 2009, no Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), antigo IAPAR, como melhorista genético de café. 


Vale informar que o SACA é um evento organizado, anualmente, pelos alunos e programa de pós graduação em Agronomia, e ocorreu, neste ano, entre os dias 16 e 20 de maio, no Teatro Mãe de Deus, em Londrina. Ele conta com palestras de pesquisadores de renome nacional, como Kurozawa e Sera, para atualização em novas tecnologias, além da apresentação de pôsteres das pesquisas realizados pelos estudantes.

Agradecemos a visita de ambos pesquisadores e já os convidamos para retornarem ao Orquidário em uma nova oportunidade! 💜🌱    

Guilherme Eduardo Morais Ferreira





O Orquidário UEL na ExpoLondrina 2022

Depois de dois anos ausente devido à pandemia da Covid-19, a ExpoLondrina voltou a abrir os portões em sua 60ª edição e o Orquidário da Universidade Estadual de Londrina (UEL) esteve presente. O evento, que aconteceu entre os dias 1 e 10 de abril, reuniu diversas atrações para o público, dentre elas a Via Rural, mais conhecida como Fazendinha. E era lá que o Orquidário estava localizado.

O estande ficou aberto durante todos os dias da exposição e contou com uma variedade de plantas ornamentais (orquídeas, bromélias, suculentas, kokedamas e outras), livros de autoria do professor dr. Ricardo Faria, atual coordenador do Orquidário, o método de germinação de orquídeas usado em laboratório (in vitro) na universidade, banner explicativo sobre o crescimento da atuação da floricultura no agronegócio e a famosa cadeira recheada de flores para fotos. No atendimento aos visitantes, alunos de graduação e pós-graduação da universidade, colaboradores e o coordenador do Orquidário estavam a postos durante todo o evento, divididos em dias e períodos específicos. De acordo com Eduarda Farias, estudante do segundo ano de Agronomia, os objetivos eram mostrar a importância, os dados, os valores que esse setor movimenta no agronegócio, e demonstrar o trabalho laboratorial que o Orquidário realiza. “Como a porcentagem de germinação das orquídeas em ambiente natural é muito baixa, a gente faz um trabalho no laboratório para que a gente consiga ter a multiplicação delas”, explicou.

Além do espaço na Fazendinha, o Orquidário ofereceu dois cursos para o público geral, em parceria com o Sebrae. Um deles foi sobre o cultivo das orquídeas, no dia 2 de abril, e o outro, sobre as suculentas, no dia 9 de abril. Ambos foram ministrados pelo professor Ricardo Faria e ocorreram no auditório da Via Rural. Segundo Faria, esses cursos foram os primeiros realizados presencialmente pelo Orquidário UEL depois do auge da pandemia e a interação com os partícipes foi boa: “durante os cursos os participantes demonstraram grande interesse pelos temas abordados e também puderam realizar algumas atividades práticas que enriqueceram o conhecimento”.

                                

O balanço final foi muito positivo, pois tivemos a visitação na unidade de floricultura de vários produtores de plantas ornamentais e também de muitos interessados no cultivo de flores como agronegócio. Os alunos tiveram a oportunidade de mostrar as pesquisas realizadas na UEL de preservação das orquídeas nativas do Brasil utilizando a técnica da propagação in vitro e   as principais espécies ornamentais comercializadas”, concluiu o professor.
Guilherme Eduardo Morais Ferreira






Para acessar essas e outras fotos do nosso estande, clique aqui.

Para acessar essas e outras fotos da nossa cadeira de flores, clique aqui.

Pesquisa da UEL sobre rosa do deserto é destaque no Globo Rural

Estudo sobre rosa do deserto envolvendo produtor do norte paranaense e pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina (UEL) é tema de matéria no programa Globo Rural do último domingo (10/4).

Os trabalhos, que têm parte do material genético fornecido pela família Takemura, duram há mais de dez anos e muitos resultados foram obtidos durante esse tempo. Atualmente, os focos do estudo são reduzir o período de desenvolvimento de novas variedades e diminuir o tamanho da planta, possibilitando o cultivo em apartamento. Esses objetivos são os assuntos principais da reportagem, que teve participação do professor Ricardo Faria e da bióloga Talita Rosa, mestranda na UEL, diretamente do orquidário da universidade. 

Essa espécie de suculenta ainda é pouco conhecida no Brasil, mas vem ganhando espaço no ramo da Floricultura como Agronegócio, área voltada para o comércio. Segundo dados do IBRAFLOR (Instituto Brasileiro de Floricultura), ela já é uma das principais flores produzidas para este fim, além da orquídea Phalaenopsis, da rosa, da violeta, da kalanchoe, do crisântemo e outras. 

Acesse o link para assistir à matéria: https://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/noticia/2022/04/10/estudo-pretende-desenvolver-rosa-do-deserto-menor-que-podera-ser-cultivada-em-apartamento.ghtml

Guilherme Eduardo Morais Ferreira


Projeto oportuniza visitas monitoradas ao Orquidário UEL

Após quinze anos de existência, o projeto que abre as portas do Orquidário da Universidade Estadual de Londrina (UEL) para a população ganhará um novo público. A partir de maio, escolas e instituições de Londrina e da região também poderão visitar o lugar, por meio de passeios guiados por integrantes da iniciativa, que já estão se preparando para a novidade.    

O projeto pertence ao departamento de Agronomia e pretende explicar conceitos relacionados à sustentabilidade, conservação e preservação do meio ambiente; promover a educação ambiental; debater e criar senso crítico sobre os problemas ambientais causados pelo ser humano; e demonstrar a importância da pesquisa para a preservação das espécies nativas e ameaçadas de extinção.

O público-alvo é formado por alunos do ensino médio e fundamental, a partir dos 12 anos, grupos da terceira idade e estudantes da APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais). Segundo Ricardo Tadeu de Faria, professor que coordena o projeto de extensão, a abertura para estudantes também servirá para despertar o interesse nos cursos das áreas de Ciências Agrárias e Biológicas, como Agronomia e Biologia.

As visitas contam com momentos de exposição, de explicação e de atividades práticas, e serão monitoradas por estudantes da UEL. Os visitantes passarão por diferentes estações, como cada parte do trajeto foi nomeada pelos alunos. São elas: 1- Pau-Brasil; 2- Bosque das orquídeas; 3- Orquidário; 4- Peroba; 5- Mandacaru; 6- Figueira branca. “Em cada estação será abordado temas relevantes sobre o meio ambiente como: conservação das espécies nativas, domesticação; sequestro de carbono; compostagem; reciclagem; uso correto da água, efeito estufa, mudanças climáticas, coleta seletiva, sustentabilidade e o respeito à natureza”, explica o professor.

O agendamento deve ser feito pelo e-mail: orquidariouel@gmail.comOs dias e horários disponíveis para as visitas serão divulgados em breve. A previsão, no entanto, é que elas comecem em maio de 2022. Vale ressaltar que as recomendações de segurança contra a pandemia da Covid-19 serão seguidas em todas as atividades.

O Orquidário UEL foi criado em 1997 e fica no Centro de Ciências Agrárias (CCA), nas dependências da universidade. De acordo com um levantamento feito em 2015, foram identificadas 10.099 plantas, distribuídas em 245 espécies. O espaço já serviu para pesquisas que já resultaram em trabalhos de iniciação científica, dissertações de mestrado, teses de doutorado, artigos e publicação de livros. Lembrando que as visitas tradicionais continuam disponíveis nas quintas e sextas-feiras, das 8h30 às 15h30.

            Guilherme Eduardo Morais Ferreira





Orquidário UEL reúne pesquisa, ensino e extensão em um único lugar


Mesmo sendo um dos países mais ricos em variedades de orquídeas, no Brasil ainda são poucos os trabalhos desenvolvidos com a planta. Segundo Ricardo Faria, professor de Fitotecnia, do Departamento de Agronomia, do Centro de Ciências Agrárias (CCA), e coordenador do Orquidário da UEL, os estudos são importantes tanto para o avanço das pesquisas, como para a conservação da espécie na natureza.
No Brasil, existem 3 mil espécies e no mundo, são mais de 30 mil variedades. Segundo o professor, o espaço, que contabiliza aproximadamente 200 espécies de orquídeas, tem atraído a atenção de muitos estudantes devido ao aumento da popularidade da floricultura como agronegócio. No Orquidário, três estudantes de iniciação científica, três estudantes de mestrado, dois estudantes de doutorado e atualmente, um estudante de pós-doutorado, usam o espaço para desenvolver projetos e pesquisas, todos do curso de Agronomia da UEL.
As temáticas dos trabalhos variam muito. Alguns exemplos são melhoramento genético, propagação, cultivo, identificação e domesticação de orquídeas selvagens. As atividades feitas em laboratórios normalmente são sobre criopreservação, clonagem e indução de poliploidia – que tem o intuito de aprimorar as espécies. Os estudantes que gostam de trabalhar em campo, desenvolvem suas pesquisas nas estufas, já os que gostam mais de laboratórios, têm os projetos voltados às técnicas de meio de cultura, autoclavagem e propagação in vitro.
O professor explica que o Orquidário tem como objetivo principal atender ao tripé da universidade: ensino, pesquisa e extensão. “No âmbito da pesquisa ele funciona como um local onde os alunos podem desenvolver as suas hipóteses e os seus trabalhos científicos. O espaço apresenta um vasto material biológico para ser estudado. O trabalho de extensão se dá através da prestação de serviço à comunidade com a venda de orquídeas e a promoção de cursos. Com o ensino, pautado na graduação, os estudantes do curso de Agronomia participam do plantio, da adubação e tem o cultivo de orquídeas como modelo prático de produção de flores”, pontua.
Faria ressalta que Orquidário vem colhendo muitos frutos. São mais de 100 trabalhos publicados em revistas nacionais e internacionais, dezenas de dissertações de mestrado e teses de doutorado, além da contribuição de mais de 100 alunos de iniciação científica que passaram pelo local.
Jean Carlo Baudraz de Paula iniciou a graduação em Agronomia em 2012. Passou pelo Orquidário como estagiário no terceiro ano do curso e desde então tem utilizado o espaço para o desenvolvimento dos seus trabalhos. No TCC, desenvolveu um trabalho sobre a criopreservção das orquídeas. No mestrado, Jean continuou com os estudos na área de criopreservação, mas desta vez com bromélias e finalizou no início deste ano. Atualmente, é doutorando e pretende trabalhar com plantas carnívoras. Ele afirma que o espaço contribui para que os estudantes possam aprender na prática o que veem em sala de aula e também para que possam ter contato direto com o objeto dos trabalhos.
Atualmente, além da parceria com produtores de orquídeas, que trazem materiais para serem germinados, o espaço conta com fornecimento de materiais de floricultura de empresas de insumos da área de Agronomia, como a Londriestufa e a Gramado Sementes.
Thiago Couto é estudante de Agronomia da Unopar e faz estágio no Orquidário UEL. Ele é responsável por cuidar das plantas, fazer adubação, replante e receber os visitantes. Para ele, o ambiente propricia às pessoas a aproximação com a natureza. “Todo mundo quer ter um pouco da natureza dentro de casa. As pessoas que vêm aqui têm a chance de aprender um pouquinho sobre esse universo e levar para casa também.”

         Histórico - O professor Ricardo Faria criou o Orquidário UEL em 1997 com o objetivo de oferecer aos estudantes um espaço para pesquisa científica. Começou com a implantação de um pequeno laboratório de clonagem e uma única estufa. A partir dos trabalhos com estudantes e funcionários, o espaço foi tomando maiores proporções e hoje já soma nove estufas. O Orquidário já fez lançamento de novas cultivares e um dos estudantes que passaram pelo local, orientado pelo professor, chegou a registrar uma nova variedade na Royal Horticultural Society (RHS), na Inglaterra.    

A UEL sediou o 3º Simpósio Brasileiro de Orquídeas, que reuniu pesquisadores e estudantes de todo o Brasil, com participação do professor Wagner Vendrame, da Universidade da Flórida. O evento contou com mais de 100 inscritos, e segundo o professor, trabalhos bastante relevantes.

O Orquidário possui site para divulgação das atividades e trabalhos e a Coluna “Flores e Paisagismo” na Rádio UEL, onde semanalmente o professor aborda um diferente tema, baseado nas dúvidas dos ouvintes. Segundo Faria, o objetivo é informar sobre os cuidados com as plantas e com o jardim. Já forão discutidos mais de 60 temas, como cultivo de violetas e samambaias, estilos de jardim e arborização urbana.

Serviço - O espaço é aberto às comunidades interna e externa todas às sextas-feiras, das 8h30 às 15h30. 

A 2ª edição da Hortuel foi um sucesso!

A noite do dia 31 de outubro foi marcada por muita troca de conhecimento! 😊

Realizada no Anfiteatro de Pós-Graduação, do Centro de Ciências Agrárias (CCA), a 2ª edição da Oficina de Horticultura da UEL (Hortuel) foi um sucesso. O professor Roberto Jun Takane, da Universidade Federal do Ceará (UFC), ministrou curso sobre cultivo e manejo de plantas suculentas, no qual os participantes puderam tirar dúvidas e compartilhar experiências.

O evento contou ainda com o lançamento do livro "Cultivo Técnico de Plantas Suculentas: técnicas de manejo e propagação". A obra é resultado de uma parceria entre o professor Takane, o engenheiro agrônomo Sérgio Shoji Yanagisawa, e o professor do Departamento de Agronomia, do CCA, Ricardo Tadeu Faria. "Esse universo tem crescido muito e proporcionado um amplo espaço para pesquisa. Dentro do contexto econômico, tem participação bem relevante. Além de capacitar os interessados no assunto, o evento é importante porque é uma área que sempre há novidades, o mesmo tempo em que demanda novos técnicos e agrônomos", afirma Takane.

Se você não pôde participar desta edição, fique ligado aqui no site e nas redes sociais do Orquidário! 

Novos cursos virão em breve! 😉

Confira algumas fotos de como foi o nosso encontro: 





É amanhã!

Amanhã (31), a partir das 19 horas, no Anfiteatro da Pós-Graduação do Centro de Ciências Agrárias (CCA), tem início a segunda edição da Oficina de Horticultura da UEL (Hortuel). 

Além de proporcionar um espaço de aprendizagem para os participantes, com um curso sobre o cultivo e manutenção de suculentas, ministrado pelo professor Roberto Jun Takane, da Universidade Federal do Ceará (UFC), a programação conta também com o lançamento do livro “Cultivo Técnico de Plantas Suculentas, de coautoria de Takane, do engenheiro agrônomo Sérgio Shoji Yanagisawa, e do professor Ricardo Tadeu Faria.

O evento é coordenado pela professora Camilla de Andrade Pacheco e pelo professor Ricardo Faria, ambos do Departamento de Agronomia. É uma realização da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Orquidário UEL, Pró-reitoria de Extensão (PROEX) e Grupo de Estudos em Fruticultura Tropical e Subtropical (GEFRUTS).

2º Hortuel - Edição Especial


Apaixonados por suculentas, a 2º edição da Oficina de Horticultura da UEL (HORTUEL) é para vocês!

No dia 31 de outubro, a partir das 19 horas, no Anfiteatro da Pós-graduação, no Centro de Ciências Agrárias (CCA), o professor Roberto Jun Takane, da Universidade Federal do Ceará (UFC) vai ministrar o curso “Cultivo Técnico de Plantas Suculentas”, no qual vai abordar conceitos importantes, planejamento, técnicas de manejo e propagação, além de auxiliar os participantes na confecção de um mini vaso de suculenta.
A programação prevê ainda o lançamento do livro “Cultivo Técnico de Plantas Suculentas” (Expressão Gráfica e Editora, 136 páginas), de coautoria do professor Roberto Jun Takane, do engenheiro agrônomo Sérgio Shoji Yanagisawa, e do professor Ricardo Tadeu Faria.
Inscrição - Os interessados podem se inscrever pelo site II Hortuel (disponível a partir de 01/10). O investimento é no valor de R$40,00 e dá direito ao curso, a um livro autografado e a um certificado de participação, com carga horária de duas horas. 
O evento é coordenado pela professora Camilla de Andrade Pacheco e pelo professor Ricardo Faria, ambos do Departamento de Agronomia. É uma realização da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Orquidário UEL, Pró-reitoria de Extensão (PROEX) e Grupo de Estudos em Fruticultura Tropical e Subtropical (GEFRUTS).

Mais informações pelo e-mail contatohorturl@gmail.com

Curso prático de orquídeas - Feira 2019


O curso “Cultivo prático de orquídeas com ênfase em Vandas”, realizado durante a Feira de Orquídeas 2019 e ministrado pelo professor Ricardo Faria, foi um sucesso!

Os três encontros, que tiveram duração de 1 (uma) hora cada, reuniram cerca 90 pessoas, que puderam aprender um pouco mais sobre este universo e colocar a mão na massa.


Durante as atividades, foram abordados tópicos como paisagismo com orquídeas, plantio em árvores e construção de orquidários. Os participantes receberam orientações sobre adubação, controle de pragas e doenças, tipos de vasos e muitas outras dicas.

Confira abaixo fotos das turmas que participaram este ano: 


Fotos: Thiago Couto Raimundo

E se você não pôde estar conosco, ano que vem tem mais!
Esperamos por você!