Orquidário UEL reúne pesquisa, ensino e extensão em um único lugar


Mesmo sendo um dos países mais ricos em variedades de orquídeas, no Brasil ainda são poucos os trabalhos desenvolvidos com a planta. Segundo Ricardo Faria, professor de Fitotecnia, do Departamento de Agronomia, do Centro de Ciências Agrárias (CCA), e coordenador do Orquidário da UEL, os estudos são importantes tanto para o avanço das pesquisas, como para a conservação da espécie na natureza.
No Brasil, existem 3 mil espécies e no mundo, são mais de 30 mil variedades. Segundo o professor, o espaço, que contabiliza aproximadamente 200 espécies de orquídeas, tem atraído a atenção de muitos estudantes devido ao aumento da popularidade da floricultura como agronegócio. No Orquidário, três estudantes de iniciação científica, três estudantes de mestrado, dois estudantes de doutorado e atualmente, um estudante de pós-doutorado, usam o espaço para desenvolver projetos e pesquisas, todos do curso de Agronomia da UEL.
As temáticas dos trabalhos variam muito. Alguns exemplos são melhoramento genético, propagação, cultivo, identificação e domesticação de orquídeas selvagens. As atividades feitas em laboratórios normalmente são sobre criopreservação, clonagem e indução de poliploidia – que tem o intuito de aprimorar as espécies. Os estudantes que gostam de trabalhar em campo, desenvolvem suas pesquisas nas estufas, já os que gostam mais de laboratórios, têm os projetos voltados às técnicas de meio de cultura, autoclavagem e propagação in vitro.
O professor explica que o Orquidário tem como objetivo principal atender ao tripé da universidade: ensino, pesquisa e extensão. “No âmbito da pesquisa ele funciona como um local onde os alunos podem desenvolver as suas hipóteses e os seus trabalhos científicos. O espaço apresenta um vasto material biológico para ser estudado. O trabalho de extensão se dá através da prestação de serviço à comunidade com a venda de orquídeas e a promoção de cursos. Com o ensino, pautado na graduação, os estudantes do curso de Agronomia participam do plantio, da adubação e tem o cultivo de orquídeas como modelo prático de produção de flores”, pontua.
Faria ressalta que Orquidário vem colhendo muitos frutos. São mais de 100 trabalhos publicados em revistas nacionais e internacionais, dezenas de dissertações de mestrado e teses de doutorado, além da contribuição de mais de 100 alunos de iniciação científica que passaram pelo local.
Jean Carlo Baudraz de Paula iniciou a graduação em Agronomia em 2012. Passou pelo Orquidário como estagiário no terceiro ano do curso e desde então tem utilizado o espaço para o desenvolvimento dos seus trabalhos. No TCC, desenvolveu um trabalho sobre a criopreservção das orquídeas. No mestrado, Jean continuou com os estudos na área de criopreservação, mas desta vez com bromélias e finalizou no início deste ano. Atualmente, é doutorando e pretende trabalhar com plantas carnívoras. Ele afirma que o espaço contribui para que os estudantes possam aprender na prática o que veem em sala de aula e também para que possam ter contato direto com o objeto dos trabalhos.
Atualmente, além da parceria com produtores de orquídeas, que trazem materiais para serem germinados, o espaço conta com fornecimento de materiais de floricultura de empresas de insumos da área de Agronomia, como a Londriestufa e a Gramado Sementes.
Thiago Couto é estudante de Agronomia da Unopar e faz estágio no Orquidário UEL. Ele é responsável por cuidar das plantas, fazer adubação, replante e receber os visitantes. Para ele, o ambiente propricia às pessoas a aproximação com a natureza. “Todo mundo quer ter um pouco da natureza dentro de casa. As pessoas que vêm aqui têm a chance de aprender um pouquinho sobre esse universo e levar para casa também.”

         Histórico - O professor Ricardo Faria criou o Orquidário UEL em 1997 com o objetivo de oferecer aos estudantes um espaço para pesquisa científica. Começou com a implantação de um pequeno laboratório de clonagem e uma única estufa. A partir dos trabalhos com estudantes e funcionários, o espaço foi tomando maiores proporções e hoje já soma nove estufas. O Orquidário já fez lançamento de novas cultivares e um dos estudantes que passaram pelo local, orientado pelo professor, chegou a registrar uma nova variedade na Royal Horticultural Society (RHS), na Inglaterra.    

A UEL sediou o 3º Simpósio Brasileiro de Orquídeas, que reuniu pesquisadores e estudantes de todo o Brasil, com participação do professor Wagner Vendrame, da Universidade da Flórida. O evento contou com mais de 100 inscritos, e segundo o professor, trabalhos bastante relevantes.

O Orquidário possui site para divulgação das atividades e trabalhos e a Coluna “Flores e Paisagismo” na Rádio UEL, onde semanalmente o professor aborda um diferente tema, baseado nas dúvidas dos ouvintes. Segundo Faria, o objetivo é informar sobre os cuidados com as plantas e com o jardim. Já forão discutidos mais de 60 temas, como cultivo de violetas e samambaias, estilos de jardim e arborização urbana.

Serviço - O espaço é aberto às comunidades interna e externa todas às sextas-feiras, das 8h30 às 15h30. 

A 2ª edição da Hortuel foi um sucesso!

A noite do dia 31 de outubro foi marcada por muita troca de conhecimento! 😊

Realizada no Anfiteatro de Pós-Graduação, do Centro de Ciências Agrárias (CCA), a 2ª edição da Oficina de Horticultura da UEL (Hortuel) foi um sucesso. O professor Roberto Jun Takane, da Universidade Federal do Ceará (UFC), ministrou curso sobre cultivo e manejo de plantas suculentas, no qual os participantes puderam tirar dúvidas e compartilhar experiências.

O evento contou ainda com o lançamento do livro "Cultivo Técnico de Plantas Suculentas: técnicas de manejo e propagação". A obra é resultado de uma parceria entre o professor Takane, o engenheiro agrônomo Sérgio Shoji Yanagisawa, e o professor do Departamento de Agronomia, do CCA, Ricardo Tadeu Faria. "Esse universo tem crescido muito e proporcionado um amplo espaço para pesquisa. Dentro do contexto econômico, tem participação bem relevante. Além de capacitar os interessados no assunto, o evento é importante porque é uma área que sempre há novidades, o mesmo tempo em que demanda novos técnicos e agrônomos", afirma Takane.

Se você não pôde participar desta edição, fique ligado aqui no site e nas redes sociais do Orquidário! 

Novos cursos virão em breve! 😉

Confira algumas fotos de como foi o nosso encontro: 





É amanhã!

Amanhã (31), a partir das 19 horas, no Anfiteatro da Pós-Graduação do Centro de Ciências Agrárias (CCA), tem início a segunda edição da Oficina de Horticultura da UEL (Hortuel). 

Além de proporcionar um espaço de aprendizagem para os participantes, com um curso sobre o cultivo e manutenção de suculentas, ministrado pelo professor Roberto Jun Takane, da Universidade Federal do Ceará (UFC), a programação conta também com o lançamento do livro “Cultivo Técnico de Plantas Suculentas, de coautoria de Takane, do engenheiro agrônomo Sérgio Shoji Yanagisawa, e do professor Ricardo Tadeu Faria.

O evento é coordenado pela professora Camilla de Andrade Pacheco e pelo professor Ricardo Faria, ambos do Departamento de Agronomia. É uma realização da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Orquidário UEL, Pró-reitoria de Extensão (PROEX) e Grupo de Estudos em Fruticultura Tropical e Subtropical (GEFRUTS).

2º Hortuel - Edição Especial


Apaixonados por suculentas, a 2º edição da Oficina de Horticultura da UEL (HORTUEL) é para vocês!

No dia 31 de outubro, a partir das 19 horas, no Anfiteatro da Pós-graduação, no Centro de Ciências Agrárias (CCA), o professor Roberto Jun Takane, da Universidade Federal do Ceará (UFC) vai ministrar o curso “Cultivo Técnico de Plantas Suculentas”, no qual vai abordar conceitos importantes, planejamento, técnicas de manejo e propagação, além de auxiliar os participantes na confecção de um mini vaso de suculenta.
A programação prevê ainda o lançamento do livro “Cultivo Técnico de Plantas Suculentas” (Expressão Gráfica e Editora, 136 páginas), de coautoria do professor Roberto Jun Takane, do engenheiro agrônomo Sérgio Shoji Yanagisawa, e do professor Ricardo Tadeu Faria.
Inscrição - Os interessados podem se inscrever pelo site II Hortuel (disponível a partir de 01/10). O investimento é no valor de R$40,00 e dá direito ao curso, a um livro autografado e a um certificado de participação, com carga horária de duas horas. 
O evento é coordenado pela professora Camilla de Andrade Pacheco e pelo professor Ricardo Faria, ambos do Departamento de Agronomia. É uma realização da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Orquidário UEL, Pró-reitoria de Extensão (PROEX) e Grupo de Estudos em Fruticultura Tropical e Subtropical (GEFRUTS).

Mais informações pelo e-mail contatohorturl@gmail.com

Curso prático de orquídeas - Feira 2019


O curso “Cultivo prático de orquídeas com ênfase em Vandas”, realizado durante a Feira de Orquídeas 2019 e ministrado pelo professor Ricardo Faria, foi um sucesso!

Os três encontros, que tiveram duração de 1 (uma) hora cada, reuniram cerca 90 pessoas, que puderam aprender um pouco mais sobre este universo e colocar a mão na massa.


Durante as atividades, foram abordados tópicos como paisagismo com orquídeas, plantio em árvores e construção de orquidários. Os participantes receberam orientações sobre adubação, controle de pragas e doenças, tipos de vasos e muitas outras dicas.

Confira abaixo fotos das turmas que participaram este ano: 


Fotos: Thiago Couto Raimundo

E se você não pôde estar conosco, ano que vem tem mais!
Esperamos por você!

Orquídea da Semana

Epigeneium lyonii
Foto: Eric Hunt

Origem: Filipinas
Dimensão da flor: 6 x 6 cm
Haste floral: 40 cm
Altura da Planta: 15 cm
Época de floração: primavera
Duração da flor: 30 dias
Sombreamento: 50%
Temperatura: 8 a 35°C
Curiosidade: A origem do nome Epigeneium, e a junção de duas palavras do Latim, EPI + GENEIUM, que significa “no queixo “, em referência à forma do queixo do lábio da flor desta espécie.

Feira de Orquídeas chega em sua 22ª Edição





O tradicional evento "Feira de Orquídeas" realizado todos os anos em Londrina, tem início dia 30 de agosto e segue até dia 09 de setembro, no Armazém da Moda. Estará aberto à visitação das 10 às 21 horas, exceto aos domingos, que as atividades se encerram uma hora mais cedo, às oito da noite.

A Feira traz grande variedade de flores em cores e formatos, além de diversos exemplares diferentes e exóticos para comercialização, com preços acessíveis. Além disso, haverá sorteio de espécies como atrativo aos visitantes.

O evento vai promover o curso “Cultivo prático de orquídeas com ênfase em Vandas”, ministrado pelo professor Ricardo Tadeu de Faria, professor do Departamento de Agronomia, da Universidade Estadual de Londrina. O curso será nos dias 07 e 14, das 15h30 às 17 horas e no dia 13, das 19h30 às 21 horas. O valor da inscrição para participar é de R$ 30,00, com a opção de garantir uma apostila por R$15,00.

As vagas para o curso são limitadas! Para se inscrever, entre em contato pelo telefone (43) 3348-0154


O estacionamento e a entrada no evento são gratuitos. 
O Armazém da Moda fica na avenida Tiradentes, 1411. 

Orquídea da Semana + Sorteio


Oncidium baueri 


Popularmente conhecida no Brasil como "chuva-de-ouro", a orquídea Oncidium baueri é principalmente encontrada no Brasil, no Paraguai e no Norte da Argentina, mas são distribuídas por toda a América Tropical. Além de ser uma espécie onde as pétalas e sépalas são bastante pequenas em relação ao labelo, a planta é repleta de cores vibrantes.

Origem: Norte AS
Dimensão da flor: 3 x 3
Haste floral: 1 a 3 cm
Altura da Planta: 80 cm
Época de floração: verão
Sombreamento: 50%
Temperatura: 10 a 35°C

Se você gostou da nossa Orquídea da Semana e quer ganhar uma, basta participar do sorteio. Comente "eu quero" nesta postagem. O ganhador deverá retirar a planta no Orquidário UEL, na sexta-feira, das 08:30 às 15 horas. Falar com o Seu Geraldo.  O resultado sai no dia 05/08 (segunda-feira). Boa sorte a todos!

*A foto menor é para ilustrar como a orquídea ficará quando florescer.*

Londrina sedia 1ª Exposição Nacional das orquídeas Cattleya walkeriana e nobilior


A 1ª Exposição Nacional das orquídeas Cattleya walkeriana e nobilior foi realizada de 12 a 14 de Julho de 2019, em Londrina, promovido pela Confraria de Colecionadores de C. walkeriana e nobilior (CWN). O evento contou com palestras sobre os temas "Melhoramento Genético" e "Nutrição de Orquídeas". Os visitantes também puderam adquirir mudas e plantas adultas multiplicadas em laboratório por produtores de todo o país. Além disso, houve um concurso para o julgamento técnico das melhores plantas da exposição. O professor Ricardo Faria, que esteve presente na Exposição, explica que ambas são espécies brasileiras e que estão em risco de extinção devido a destruição de seus habitats e a coleta predatória.

A Cattleya walkeriana foi descoberta por George Gardner, em 1839, à margem de um riacho afluente do Rio São Francisco, em Minas Gerais. Seu nome é uma homenagem a Edward Walker, assistente do botânico que o acompanhava. A espécie também pode ser encontrada em ambiente selvagem nos estados de Goiás, Mato Grosso e São Paulo, sempre próxima a rios, lagos ou pântanos. 
Sua fragrância, que lembra o aroma de canela, e sua variedade de cores chamam a atenção. A espécie se adapta muito bem ao cultivo em ambiente interno, desde que tenha boas condições de umidade e iluminação.
A Cattleya nobilior foi descrita em 1883 pelo botânico alemão Heinrich Gustav Reichenbach, orquidófilo que identificou, descreveu e classificou mais de mil espécies de orquídeas durante sua carreira. O nome desta espécie, “nobilior”, deriva do latim e significa “mais nobre”, “melhor”. Muitos acreditam que seja em referência à Cattleya walkeriana, com qual é freqüentemente comparada. O cultivo desta espécie é reconhecido por muitos como difícil. Porém, proporcionando às plantas um ambiente parecido ao que ela tem na natureza, é possível atingir uma boa qualidade de vida à planta. 

Confira algumas fotos de espécies que estiveram na Exposição:

Cattleya walkeriana alba

Cattleya nobilior

Cattleya nobilior amaliae

 
Cattleya walkeriana semi alba

Cattleya walkeriana

Fotos: Ricardo Faria/Orquidário UEL

Orquídea da Semana


Olá! Começaremos hoje uma série semanal intitulada "Orquídea da Semana". Aqui, você poderá ler informações técnicas e curiosidades sobre as variadas espécies de orquídeas e se encantar ainda mais. Não deixe de acompanhar! 

Koellenstenia tricolor
Foto: Sandro Lucas

Origem: Brasil
Dimensão da flor: 1,8 x 1,8 cm
Haste floral: 50 cm
Altura da Planta: 50 cm
Época de floração: verão
Duração da flor: 25 dias
Sombreamento: 50%
Temperatura: 10 a 35°C
Curiosidade: nome deste gênero Koellenstenia - é uma homenagem ao Capitão Friedrich Marcus Freiherr Kellner von Köllenstein (1802 – 1881), orquidófilo austríaco.